O desabamento parcial do edifício Champlain Towers, em Surfside, ainda permanece sem respostas. A tragédia, que abalou o segmento de Real Estate na Flórida e deixou 98 vítimas fatais, está sob investigação e tudo indica que os trabalhos para identificar as causas do desabamento ainda tomarão um longo tempo. O condomínio Champlain Towers foi construído em 1981 e fica de frente para o mar em uma região de prestígio de Miami, a região de Surfside. O prédio tinha 12 andares e 136 apartamentos, dos quais cerca de 50 foram afetados pelo desabamento. A tragédia deixou 98 vítimas fatais. Familiares e amigos das vítimas aguardam ansiosamente por respostas. Segundo autoridades, os trabalhos para identificação das causas do episódio está “bem encaminhado”.

A demora na busca por respostas não é surpresa. Um trabalho detalhado de investigação relacionadas a um desabamento de tais proporções não busca apenas trazer respostas para consolar parentes e amigos das vítimas mas, principalmente, evitar que episódios semelhantes ocorram futuramente. Apesar de ser um fato isolado, o desabamento do Champlain Towers chocou a comunidade local e o mundo, já que muitos residentes e turistas que morreram eram estrangeiros. Entre as vítimas estavam a irmã da primeira-dama do Paraguai (Sophía López-Moreira), seu cunhado (Luis Pettengill) e os três filhos do casal.

Champlain Towers: Desabamento em Surfside ainda não elucidado

Especulações sobre a causa do desabamento do Champlain Towers

Sem respostas oficiais sobre as possíveis causas do desabamento, o que sobram são especulações. A primeira delas é que o edifício foi construído em 1981, uma época em que Miami não tinha ainda um procedimento rígido sobre as inspeções das autoridades locais. Há também rumores de que o início das construções em 2016 do mega condomínio de luxo Eight Seven Park, ao lado do terreno do Champlain Towers, tenha emitido vibrações intensas que, eventualmente, poderiam ter abalado as estruturas já frágeis do deteriorado edifício Champlain Towers, que carecia de manutenção e reformas já naquela época.

Seria pouco provável, no entanto, que vibrações emitidas em 2016 tenham contribuído para o desabamento do edifício em 2021. Por outro lado, em um edifício já com problemas de manutenção e em estado de deterioração, qualquer vibração poderia ter aprofundado algum problema estrutural. Tudo isso está sendo investigado.

Em entrevista ao jornal Commercial Observer, Gil Dezer, um dos maiores construtores da Flórida e sócio da Dezer Development, explica que a tragédia, sob uma perspectiva de engenharia e construção, é um evento isolado e único. “Um prédio que foi projetado nos anos 70 e construído nos anos 80, sem o uso de computadores, sem a supervisão de inspetores locais da forma como temos hoje e sem os métodos atuais que trabalhamos (….) quer dizer, é um animal (sic) completamente diferente”, compara Dezer.

“Você realmente não pode comparar o que estava acontecendo naquela época, nos tempos dos Cowboys do Tráfico de Cocaína em Miami, com o que acontece hoje. Eu ouvi todos os tipos de teorias sobre o que aconteceu, desde não empregarem aço suficiente nas estruturas do edifício e não seguirem as orientações do arquiteto, até o prédio ao lado ter influenciado o solo local (…)”, complementa.

Dezer ainda comenta sobre a questão do solo. Experiente construtor e responsável pela entrega de alguns dos edifícios mais luxuosos do mundo, como a torre Porsche Design Tower em Sunny Isles Beach, Dezer explica que as estruturas de sustentação dos edifícios geralmente são implantadas no solo a uma profundidade equivalente a um terço da altura do edifício. “No caso do Champlain Towers, de 12 andares apenas, a perfuração seria de 40 pés (12 metros), ou seja, as estruturas estariam na parte arenosa, flutuando na areia. Elas não estão tocando em nada (mais duro). Nossas estacas descem 40 a 50 metros, para atingir a camada superior da crosta terrestre. Desta forma, (…) perfuramos nossas estruturas na rocha”, explica Dezer.

As construções da Dezer Development em Sunny Isles Beach ganharam manchetes no mundo inteiro pela solidez das estruturas, inclusive com tecnologia a prova de furacão. Saiba mais sobre os novos métodos anti-furacão e as construções na Flórida

Vídeo mostrando o exato momento do desabamento no Champlain Towers em Surfside

Novas medidas preventivas

Após o colapso do condomínio em Surfside, as autoridades de Miami decidiram criar um novo procedimento com medidas preventivas e inspeção sobre os condomínios da cidade.

O condado de Miami-Dade, que inclui Surfside, tem algumas das regras de inspeção de construção mais rígidas da Flórida. Miami exige que os proprietários de prédios contratem um engenheiro para inspecionar suas estruturas a cada 10 anos depois de completarem 40 anos.

O condomínio Champlain Towers completaria 40 anos este ano. Até completarem 40 anos as únicas inspeções feitas referem-se às licenças individuais, os chamados “permits”. A parte estrutural, neste prazo, fica por conta do próprio condomínio, que deve seguir regras, mas não está sujeito à inspeções periódicas.

Em uma das inspeções realizadas no Champlain Towers, um dos engenheiros constatou danos alarmantes em um relatório elaborado em 2018. Neste mesmo ano alguns reparos foram efetuados.

As autoridades da Flórida estudam agora exigir que todas as grandes construções em um raio de 3 milhas do mar, estejam sujeitos a inspeções nos primeiros 20 anos de ocupação. As inspeções seriam feitas em prazos de 7 anos.

Sobre Surfside

A comunidade de Surfside em Miami faz fronteira com os bairros de Bal Harbour, ao norte, e North Miami Beach, ao sul. O bairro de Bal Harbour já é bem conhecido dos brasileiros por conta do luxuoso Shopping Bal Harbour Shops. Próximo a Surfside também está a comunidade de Bay Harbor Islands, que vem despontando na cidade com lançamentos de altíssimo luxo e os chamados low density condos (condomínios com poucos moradores).

Invista em condomínios novos e seguros na Flórida

Como mencionado, o caso do Champlain Towers é um evento isolado, uma fatalidade, que provavelmente não ocorrerá mais. As novas construções adotam tecnologias atualizadas e seguras, inclusive, muitas com tecnologia anti-furacão.

A AMG International Realty é uma imobiliária internacional especializada na Flórida e voltada para o público brasileiro. Caso queira saber mais sobre as novas tecnologias implementadas nas construções da Flórida, entre em contato agora mesmo e bata um papo comigo por WhatsApp: +1 (305) 318 6968 (Heloisa Arazi).

Rate this post